Ultramaratonista que estava desaparecida é achada morta em canavial; detalhes foram revelados pela polícia

Um caso chocante abalou a comunidade de Leme (SP), com o trágico desfecho da ultramaratonista Camila Matte, de 44 anos. Seu corpo foi encontrado parcialmente queimado na tarde desta terça, dia 16 de janeiro.

O corpo estava em um canavial na zona rural da cidade. Camila estava desaparecida desde o último domingo, dia 14 de janeiro, quando afirmou que estava indo visitar os pais em São Carlos.

A Polícia Civil está conduzindo as investigações sob sigilo, e até o momento, não foram divulgadas informações sobre as circunstâncias exatas da morte. O corpo foi localizado próximo ao veículo da atleta, e a perícia está no local para esclarecer os fatos.

Dois frascos de álcool, um aparelho celular e a chave do carro foram encontrados nas proximidades do corpo, segundo informações da Polícia Militar.

O delegado João Pinheiro, responsável pela investigação, em entrevista ao portal Leme Digital, afirmou que, junto com a equipe pericial e o médico legista, estão empenhados em entender os acontecimentos.

Destacou também que os pertences de Camila estavam no local, diminuindo que não houve subtração de valores ou bens da vítima.

O marido da ultramaratonista, Peterson César Malachias, relatou uma discussão na manhã de domingo, momentos antes do desaparecimento de Camila. Ele estava dentro de casa, e ela, na rua, ao lado do carro, mencionando que ia para São Carlos.

A comunidade se mobilizou em busca do atleta, com sobrevoos na região, buscas por terra e a participação de motociclistas e grupos de ciclistas. Peterson, que também foi treinador de Camila, não foi localizado para comentar o ocorrido.


Publicado

em

por